Tipologia de Treinamentos na Perspectiva Organizacional - Como Definir o Perfil do Investimento e Escolher o Melhor Método de Avaliação de Eficácia de Treinamentos

Claudemir Oribe é Mestre em Administração pela Fundação Dom Cabral/PUC Minas, consultor e instrutor em gestão de Treinamento e Desenvolvimento, Indicadores de RH e Gestão de Competências. E-mail claudemir@qualypro.com.br.

01/05/2012

Este artigo propõe uma forma de classificar treinamentos numa ótica não do RH, mas da organização. Isso significa que se os treinamentos forem classificados dentro de critérios gerenciais a empresa compreenderá melhor porquê investe em treinamento, propiciando movimentações estratégicas no orçamento, segundo o momento. Nesse modelo, os treinamentos são de cinco tipos: melhorar resultados da organização, atender requisitos de capacitação, desenvolver comportamentos e atitudes, atualizar conhecimentos e satisfazer preferências das partes interessadas. Trata-se de uma heurística que, se bem adaptada e aplicada em qualquer organização, permite não apenas usufruir de toda a metodologia de avaliação, tornando o processo mais rico e sofisticado, mas também poupar tempo na escolha do melhor método para cada caso. Essa tipologia vem sendo aplicada desde 2001 em diversas organizações brasileiras e em diferentes contextos incluindo em certificações de sistemas da Qualidade.

Treinamento de Qualidade e Recursos Humanos de Qualidade: Fatores-chave de Competitividade para Países e Empresas

Dr. Raymond Saner Centre for Socio-Economic Development, Genebra

01/05/2012

Este trabalho oferece um sumário da área de estudos sobre a competitividade dos países e sua relação com recursos humanos, educação e treinamento de alta qualidade. Em particular, o objetivo do autor é explicitar por que, cada vez mais, os países precisam de recursos humanos bem treinados e motivados. Aproveitando o trabalho pioneiro de Michael Porter sobre competitividade nacional e os estudos práticos de Christophe Koellreuter sobre competitividade regional, o autor ressalta a importância dos recursos humanos de alta qualidade em geral e da educação e do treinamento de qualidade em particular. Resumindo, o autor faz sugestões para o estabelecimento de sistemas de garantia da qualidade nas áreas de educação e treinamento, baseados no recém-criado Padrão ISO 10015, que proporcionem os níveis de alta qualidade do aprendizado que são necessários ao desenvolvimento econômico sustentável dos países e ao sucesso das empresas.

A História do MASP

Claudemir Oribe é Mestre em Administração, Consultor e Instrutor de MASP, Ferramentas da Qualidade e Gestão de T&D. E-mail claudemir@qualypro.com.br.

29/04/2012

Por trás do MASP estão mais de 350 anos de desenvolvimento do método científico.

O que Fundamenta o MASP

Claudemir Oribe é Mestre em Administração, Consultor e Instrutor de MASP, Ferramentas da Qualidade e Gestão de T&D. E-mail claudemir@qualypro.com.br.

29/04/2012

Uma vasta fundamentação teórica garante uma sustentação conceitual e metodológica do MASP.

Porque usar o MASP na Resolução de Problemas

Claudemir Oribe é Mestre em Administração, Consultor e Instrutor de MASP, Ferramentas da Qualidade e Gestão de T&D. E-mail claudemir@qualypro.com.br.

29/04/2012

A fragilidade da ação humana típica justifica a utilização de um método que seja mais eficaz.

Tipos de Grupos de Aplicação do MASP

Claudemir Oribe é Mestre em Administração, Consultor e Instrutor de MASP, Ferramentas da Qualidade e Gestão de T&D. E-mail claudemir@qualypro.com.br.

29/04/2012

O MASP pode ser usado para dois propósitos distintos: resolver problemas e desenvolver pessoas.

Condições Favoráveis e Desfavoráveis para Aplicação do MASP

Claudemir Oribe é Mestre em Administração, Consultor e Instrutor de MASP, Ferramentas da Qualidade e Gestão de T&D. E-mail claudemir@qualypro.com.br.

29/04/2012

O método é excelente, mas depende de algumas condições para ser aplicado.

O MASP e as Ferramentas da Qualidade

Claudemir Oribe é Mestre em Administração, Consultor e Instrutor de MASP, Ferramentas da Qualidade e Gestão de T&D. E-mail claudemir@qualypro.com.br.

29/04/2012

Método e Ferramenta se complementam. Veja porquê.

Erros típicos na aplicação do MASP – Parte 1

Claudemir Oribe é Mestre em Administração, Consultor e Instrutor de MASP, Ferramentas da Qualidade e Gestão de T&D. E-mail claudemir@qualypro.com.br.

29/04/2012

Problemas nas etapas 1 e 2 – Identificação do problema e Observação

Erros típicos na aplicação do MASP – Parte 2

Claudemir Oribe é Mestre em Administração, Consultor e Instrutor de MASP, Ferramentas da Qualidade e Gestão de T&D. E-mail claudemir@qualypro.com.br.

29/04/2012

Os erros na principal etapa do MASP – a Análise –podem comprometer completamente o resultado final.

Ir para pagina: